O que somos

EME>>, Estúdio Móvel Experimental, é uma residencia móvel de pesquisa integrada em meio ambiente e sustentabilidade, entre arte, ciência e tecnologia. O projeto tem duas funções principais: seu design ser ecológico, isto é, desenvolver a máquina para que seja coerente ao meio ambiente e abrir espaço para artistas desenvolverem ações artísticas em sítios específicos. Este projeto é direcionado como uma plataforma interdisciplinar de pesquisa com foco na Mata Atlântica e sustentabilidade.

Os artistas e pesquisadores residentes no EME>> visitarão alguns municípios do estado do Rio de Janeiro também como festivais de arte, mídia e exposições. Uma de suas funções é alcancar público por meio de intervenções urbanas, publicações, documentação e interação utilizando plataformas de novas mídias como internet e redes sociais. Através deste projeto multidisciplinar pretende-se enfatizar a conscientização ambiental, histórica e artística do Estado do Rio de Janeiro.


EME >> Estúdio Móvel Experimental is a mobile residency working in a platform between art and science researching the natural environment and sustainability. EME >> has two main functions: as a customized camper van that is designed to be ecological, i.e., to adapt its machinery to the natural environment; and also as a mobile studio that can support facilities to explore the urban and natural environment, realize public/ live arts and educational events around the Guanabara Bay in the state of Rio de Janeiro. It opens space for artists and researchers to use the EME>> machine as a tool for communication and interface their work, the natural environment and the audience.



19 de set de 2009

Silvia Leal Residency- Day 3 - 18.09.09/ Baía de Guanabara

09:30 - Instituto Rumo Nautico/ Projeto Grael workshop
15:30 - Instituto Baía de Guanabara interview
17:30 - Praia Adão e Eva

18 de set de 2009

View from the sugar loaf/ Visto do Pão de Açucar

Rio Artist Thais Medeiros accepts to access to the Sugar Loaf and aim her camera towards Adam and Eve Beach across the bay in Niteroi to capture Silvia Leal's 1 min performance.

Artista carioca Thais Medeiros aceita convite para acessar o Pão de Açucar e apontar sua câmera em direção a praia Adão e Eva em Niteroi, para registrar a ativação da ultima chama marítima por Silvia, neste ciclo de performance e interligação em torno da baia de Guanabara.



Interview with Dora Hees de Negreiros, Instituto Baía de Guanabara

The questions below were posed by Rachel Jacobs of Active Ingredient, which Silvia in turn asked Ms. Dora Hees, President of the Guanabara Bay Institute to reflect upon:














The questions below were posed by Rachel Jacobs of Active Ingredient, which Silvia in turn asks Ms. Dora Hees, President of the Guanabara Bay Institute:


Silvia: How do we visualise the future of our forests?

Dora Hees de Negreiros: With certain worry, I think we will have forests but they will be altered. I believe that people will be more conscientious and take more care. This “care” is however in inverted commas, the concept of an un-touched forest is something I don’t really believe in, as the population grows, man needs to make a clearing to live, even the Indians made clearings. We need the sun to live and as the population grows, our forests are threatened. But I believe we will take care, and this care is being taken into consideration in many ways. Projects such as yours, initiatives that are now more common will increase. We will have forests, but in limited spaces, such as the Guanabara Bay for example, once the mangroves covered all of its margins. Today this is very limited to the APA Guapimirim. We are continually developing these projects to protect our forests and I believe the population is taking more care. I am from the time of Stockholm’s conference on the environment, it was 1972, and it was when pollution was being considered for the first time. I was then already working with the environment. We were aware then that the world could not continue developing the way it was. Today I believe there are many things being done and we will have our forests, at least in the areas that are protected.

Silvia: How do we think we can work with young people to keep them interested in looking after the forest regions?

Dora: The best way to work with children in my region of Rio de Janeiro is through the schools. It is a place where the children go to. Even if attracted by the school lunches offered. There is a lot of interest in our forests, especially by the teachers who bring the young people and show them, not only through images, but through direct contact with nature, which creates affection. A young person who hugs a tree will never forget its texture. So I think we must put young people in direct contact with nature, let them hear the sounds and smell the forest, this is very important.

Silvia: What ways can humans and the technology we are inventing can help us live with our forests now?

Dora: This weekend I was in Itatiaia, and there I heard about a resident who had a very modern recording tool, a camera that has a thermal sensor. He filmed a family of jaguars which were unknown in that forest previously. The machine is activated by movement or heat, that is, the technology revealed the family of jaguars. I strongly believe in technology, as well as information in order to create an emotional tie, and that knowledge is necessary. Today technology makes this information available to us. In this region of the Guanabara Bay, amongst its sixteen municipalities, there are schools which still do not have access to the internet, neighbourhoods which do not have access and this makes it necessary for us to physically take this information also. As a note, we have a project with bio-indicators, and it would be good to make contact with Active Ingredient.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Silvia Leal: Como você visualiza o futuro das nossas florestas?

Dora Hees de Negreiros: Com certa preocupação. Eu acho que nós vamos ter florestas sim, mas um pouco alteradas. Eu acredito que as pessoas vão tomar mais consciência e vão cuidar mais dela. “Cuidado” entre aspas, Não deixar-las intocadas... Não acredito em nada muito intocado. A população crescendo da maneira que está crescendo, o homem vai precisar fazer uma clareira pra viver, todo homem, mesmo os índios abrem uma clareira, pois precisamos de sol para viver e conforme a população vai crescendo, as florestas vão ficando ameaçadas. Mas eu acredito que nós vamos tomar alguns cuidados, aliás, acho que estes cuidados já estão sendo tomados de certa forma. Trabalhos como os de vocês e iniciativas que são agora mais frequentes e mais comuns vão se multiplicar. Vamos chegar, por exemplo, a ter florestas em espaços limitados, assim como a baía de Guanabara tinha manguezais em toda sua volta e hoje tem, bem limitado, na APA Guapimirim. Estamos cada vez mais ampliando as áreas protegidas das florestas. Eu acho que a população está tendo mais cuidado. Eu sou da época da confência em Estocolmo de Meio Ambiente, e a primeira vez que se pensou em poluição foi em 72, quando eu já trabalhava com o meio ambiente. Eram as primeiras noções, quando o mundo se deu conta de que não podia continuar daquele jeito. Hoje, acho que muitas coisas estão sendo feitas, e vamos conseguir, pelo menos em áreas protegidas, ter nossas florestas.

Silvia: Como podemos trabalhar com os jovens com o intuiro de despertar o interesse neles em cuidar da mata atlântica?

Dora: A melhor maneira de trabalhar com crianças, pelo menos na minha região que é o Rio de Janeiro, é por meio das escolas. É um lugar para onde eles vão de qualquer maneira, nem que sejam atraídos pelas merendas, Nós temos a experiência para atrair os interessados, já que os professores também tem interesse, ou seja, mostram aos jovens, por meio de imagens, e desta maneira os coloca em relação direta com a natureza, criando assim o afeto. O jovem que abraça uma arvore não vai esquecer jamais como é a textura de uma árvore. Então, na minha opnião, devemos colocar os jovens em contato direto, fazendo-os ouvir os sons e sentir o cheiro da floresta. Isso é importante.

Silvia: De que modo você acha que a tecnologia, que estamos inventando o tempo todo, pode nos ajudar a viver com as florestas?

Dora: Este fim de semana estive em Itatiaia e lá soube que um morador trouxe uma máquina de filmar ultra moderna, destas que tem sensor térmico. Ele filmou uma família de onças desconhecidas dentro da floresta. Esta máquina liga quando sente movimento ou calor, quero dizer, uma tecnologia que mostrou a existência de uma familia de onças. Por isso, acredito muito na tecnologia, assim como a informação é necesária para poder criar um laço afetivo. O conhecimento é necessário. Hoje em dia as tecnologias colocam estas informações ao nosso dispor. Mas nós também precisamos levar esta informação adiante, pois mesmo dentro da área da baía de Guanabara, em 16 munincípios, há áreas e bairros onde as escolas ainda não tem internet. ou seja, a tecnologia também tem que chegar e andar mais depressa. Nós temos um projeto com bio-indicadores de água, precisamos fazer contato com Active Ingredient.

Rumo Nautico Oficina: 18_09_09

Oficina com o Instituto Rumo Náutico utilizando o veículo como plataforma de apresentação audio/visual. Apresentamos o projeto EME para este grupo de jovens velejadores que fazem parte do IRN e pesquisam energias alternativas e auto-sustentáveis.




Os alunos participaram de um debate sobre o EME e suas atividades marítimas, soluções mecânicas para transportação, energia e o clima da Baía de Guanabara.







Performance no IRN. Aluno de elétrica nautica, Rodrigo, aceita participar de ação continuativa de sinalização na margem da Baía de Guanabara, por meio da 'corrida de revezamento' iniciada em Paraty.


17 de set de 2009

Silvia Leal Residency- Day 2 - 17.09.09/ Estrada Real - Caminho Novo

Neste segundo dia de residência, fomos a prefeitura de Duque de Caxias, e apresentamos o projeto para a secretária de Cultura e Patrimônio, professora Gladis Brasa Figueira e Beto Gaspari do departamento de projetos de cultura.

Silvia realizou uma pesquisa de campo no município de Duque de Caxias que começou na antiga Igreja de São Bento, este a levou para a Igreja Nsa. Sra. Do Pilar. Dentro destes dois locais existem arquivos, entre fotos e mapas, dos portos onde os Portugueses levavam os metais preciosos para a Europa, ilustrando o Caminho do Ouro – Caminho Novo. Existiam vários, portos importantíssmos nos séculos XVII e XVIII.
Hoje pouco se algo resta, mas em chegar nestes locais havia conhecimento local sim obre a importância destes espaços. A Igreja Nsa. Sra. do Pilar é um patrimônio histórico e artístico nacional, tombado em 1938.

Sr.Alexandre, caseiro do Patrimonio Histórico da Igreja Nsa, Sra, do Pilar aceitou realizar a ação com a chama marítima nas margens do Rio Pilar, que hoje grande parte é soterrado. Neste aterro do Rio Pilar, Alexandre aceitou o bastão de Sr. Bee em Paraty, num jogo metafórico de revezamento.











































































1. Filme de 60 segundos com Alexandre, Caseiro do Patrimonio Histórico, a Ingreja Nsa Sra do Pilar.
2.
De manhã em Duque de Caxias, Praça Roberto Silveira em frente a Prefeitura. Conversando com Sra. Paula da Associação de Moradores de Duque de Caxias,o Sr. Daniel Ferreira do Comitê de Saneamento da Baixada Fluminense e Sr Sidney Campos Neves do Conselho Nacional de Educação e Meio Ambiente.
3. Instituto Profissional de São Bento. Agradecemos a Prof. Maria Claudia por nos receber e abrir a antiga Igreja de São Bento onde achamos referências históricas sobre a região da Baixada Fluminence e seus rios.
4. Ingreja de Ns Sra de Pilar a margem do Rio Pilar onde encontramos mapas e textos históricos, ilustrando o Caminho do Ouro; Paraty e Nossa Sra do Pilar.
5. Rio Saracuruna hoje, enquanto em busca do antigo Porto da Estrela no Rio Inhomirim que não achamos desta vez.





3. Igreja de São Bento - referências históricas sobre a região da Baixada Fluminence e seus rios.













4.
Caminhos do Ouro; Nossa Sra do Pilar.

















Oi de Inglaterra


Greetings from Nottingham, England.

We have been following EME along the journey and keeping in conversation with Silvia and Ivan via Skype as we hope to be joining the van in November on future journeys.

It is very exciting to be invited along, whilst sitting in our office in England looking out on the grey skies and imagining that we are bouncing around in the van too.


We have several ideas of how we hope to interact with EME in the future and potentially link up with our research from the Dark Forest project we are currently doing with Mobilefest and the Mixed Reality Lab (University of Nottingham). As part of this project we are working in the Mata Atlantica region around Mogi Das Cruzes, Sao Paulo state and also in Sherwood Forest which is the forest region around Nottingham where we live - the home to the world famous Robin Hood.

At the moment we doing research around sensing the forests using sensor devices that capture data on humidity, temperature, decibels, light and photos. One of our ideas is to make the van into a mobile sensor unit, that capture all types of data as it travels around and we can look at some new ways to visualise this data.

Today, whilst Silvia and Ivan travel to the Port of Estrela we are going to Sherwood Forest to collect some more data around the old oak trees (that are between 800 - 1000 years old) we hope to chat to them on skype when we are there and video conference between the two places. We will also be filming and will record a video message from the forest for this blog and the dark forest blog. We are also meeting with the forest manager and if you have any questions you want us to ask her about the forest and to link into what is being discussed on this blog with what we are talking about here then please leave a comment for us. More information about Sherwood Forest can be found here - the forest has many things in common withe Mata Atlantica, despite the difference in scale, climate and ecology...
We have some questions that relate to both forest areas:
1. How do we visualise the future of our forests
2. How do we think we can work with young people to keep them interested in looking after the forest regions
3. What ways can humans and the technology we are inventing can help us live with our forests now?

My apologies for writing in English, my Portuguese is still very basic!

Rachel Jacobs, Active Ingredient

16 de set de 2009

Silvia Leal Residency- Day 1 - 16.09.09/ Estrada Real - Caminho Velho

Silvia Leal leva o EME para apoiar uma pesquisa e atividade artística. Diferentes partes do Estado do Rio de Janeiro onde se encontra uma ligação histórico-geográfico são conectados. A cidade de Paraty e a comunidade de Pilar na encosta da Baia de Guanabara. A atividade de Silvia sublinha um fragmento contido na história do Brasil na busca de sua relevância contemporânea. Foi encontrado uma rota colonial, que buscou e transportou metais preciosos a partir do século XVII para serem exportados para Europa. Esta rota é conhecida como a Estrada Real. Duas pessoas são interligadas via a ação de ascender uma chama marítima no caminho antigo da Estrada em Paraty, a segunda, no caminho novo da Estrada Real em Pilar. Estes pontos são sinalizados por 2 pessoas que trabalham em organizações relevantes a preservação deste patrimônio histórico, geográfico e natural. EME viabilizou a ida até a Estrada Real – Caminho Velho, em Paraty onde uma reunião com o Instituto Estadual de Florestas e uma entrevista com o Sr. João Bee. foi realizado. Neste primeiro dia a primeira performance foi capturada, em fotografia e um filme de 60 segundos.


Silvia on the Royal Road, Caminho Antigo - Old Route, in Serra da Bocaina Park, Paraty.
photo: Ivan Henriques

Silvia Leal led EME to travel the environmental extreme of the State; from the natural to the urban, through the costal road known as BR 101. The region around Paraty also known as costa verde is an area rich in biodiversity, where exemplary actions of socio-environmental projects appear to be taking place and Silvia's aim was to meet some of the people involved in projects such as the Associação Cairuçu, the Parque Nacional Serra da Bocaina and the Estação Ecológica Tamoios to learn more of the Mata Atlântica there being preserved.
BR101: Rio - Paraty route taken by EME to reach the Costa Verde.
Protected Areas of the Costa Verde Region

Paraty is a XVI Century port city, where the entrance to the Estrada Real (Royal Road) can be found. A road built in the XVII Century, extending 1,200 km towards the interior city of Ouro Preto in Minas Gerais State. At the time it took 95 days to travel by foot. Originally an indigenous track, this road led the Portuguese settlers accompanied by slaves to the riches of gold, diamond and precious minerals which were extracted and then exported to Europe via the Estrada Real. This road begins in Paraty and is the ‘Caminho Velho’ (Old Route) since in the XVIII Century a second road from Ouro Preto and Diamantina city was developed in order to reach Rio de Janeiro more quickly and safely. This second branch of the Royal Road is known as the 'Caminho Novo' (New Route) and flows directly into the Guanabara Bay.

Silvia interviewing Mr. João Bee inside EME. Mr. Bee is a Historian and works with IEF
(Instituto Estadual de Florestas) and INEA (Instituto Estadual do Ambiente).


Mr. Bee is one of three Guards who physically police and protect the Reserva Ecológica da Juatinga.
The reserve is a rare area of Primary Mata Atlântica Forest that covers 9,000 hectares.

10 de set de 2009

Residência Ivan Henriques - Oficina CEFET-RJ 10.09.09

Workshop com os alunos do professor Gilberto Branco, diretor do Curso de Graduação em automobilismo no CEFET. Abrimos uma proposta para um projeto de extensão na universidade para um grupo de alunos de Engenharia Mecânica e Elétrica para pensar em soluções no desenvolvimento da customização do veículo, com o objetivo de alcançar energia verde e dispositivos tecnológicos móveis para serem adaptados nas futuras expedições do EME.

Conversa com o professor Gilberto - CEFET-RJ





Apresentação do projeto para CEFET. Um Grupo de estudos com alunos de Engenharia Mecânica da Universidade http://www.cefet-rj.br/ para pensar em soluções no desenvolvimento da customização do veículo, para alcançar energia verde e despositivos tecnológicos móveis para serem adaptados nas futuras expedições do EME.

9 de set de 2009

Residência Ivan Henriques 09.09.09 | 2° dia

Entrevista com Biólogo Felipe Sardela no APA Guapimirim; a organização sedeu um barco que acompanhou o artista para realizar uma coleta de sons na entrada do Mangue protegido. Contato pessoal realizado com a Secretária Munincipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Magé, Sra. Sandra Ramaldo tendo a autorização para realizar a intervenção Sonora na praça Dr. Nilo Peçanha, no centro de Magé, onde se encontra a Prefeitura. Apresentação de duas horas ao vivo dos sons coletados e interferidos pelo artista em tempo real. O público atingido foram grupos de jovens, adultos e idosos transeuntes da praça. Entrevistas com este público foram realizados durante o evento como parte da documentação.

P9090042 Sede da APA -Reserva ecológica de GuapimirimP9090030emedia24O biológo Felipe Sardela , da Reserva Ecológica de Guapimirim,
foi entrevistado pelo EME. Ivan captou novos sons deste rio que
desemboca na Baía de Guanabara.

emedia2Intervenção : experimentação sonora em Magé.

8 de set de 2009

Residência Ivan Henriques 08.09.09 | 1º dia

O projeto foi lançado com a residência de Ivan Martins Henriques com a ida do veículo EME até o município de Magé; Uma série de coletas de sons na comunidade de Pau-a-pique foram efetuadas em Santo Aleixo; Ao retornar ao município do Rio de Janeiro, apresentação do projeto no APA Guapimirim – reserva ambiental onde o Rio Guapimirim desemboca na Baia de Guanabara.


P9080064mapa para Magé, nosso destino final
P9080074 em Santo Aleixo, uma comunidade de pau-a-pique.P9080122na Resera Ecológica de Guapimirim, captura de sons.

7 de set de 2009

Entrevista

Estúdio Móvel Experimental convidou o jornalista carioca Gilberto de Abreu, editor do blog Supergiba | Arte Contemporânea, para promover a divulgação do projeto no Brasil. A entrevista a seguir é a primeira realizada por ele sobre o nosso trabalho.

Gilberto de Abreu: Como surgiu a idéia desse projeto e por que a decisão de documentá-lo em fotos, vídeos, áudio?

Ivan Henriques: a idéia desse projeto começou no fim de 2007 com a formação do GEMA - Grupo Experimental Multidisciplinar Autônomo. Essas ferramentas são as mesmas que utilizamos na realização de nossos trabalhos individualmente. O GEMA tem arquitetos, urbanistas, engenheiros, produtores, músicos, artistas, etc.... E o EME faz parte dessa multidisciplinariedade, é o fruto desse Grupo que é liderado por mim e Silvia.

Como esses profissionais foram se reunindo? e qual critério foi adotado para seleção dos participantes?

Ivan Henriques: O critério foi que tivessem, e tenham, proximidade com arte, criatividade . Trabalhamos também com universidades. No último dia 10, por exemplo, fiz um workshop com os alunos do CEFET-RJ, voltado principalmente para alunos de engenharia mecânica e elétrica, pensando soluções auto-sustentáveis e tecnológicas para usar no EME.

De que forma o trabalho no Estúdio Móvel Experimental poderá ser visto pelo público? Os registros serão expostos, incorporados a trabalhos multimídia, ou estarão disponíveis na internet?

Silvia Leal: O Estúdio Móvel leva os trabalhos artísticos e a pesquisa multidisciplinar para um público muito maior, por viabilizar sua apresentação em lugares carentes em vários sentidos, sobretudo culturalmente. A tecnologia viabiliza a documentação e informação. Na internet, por exemplo, através de Blogs, social networks, chats, websites e outras mídias. O conceito de site-specific é importante. Estamos trabalhando justamente com as micro-políticas. Uma concepção macro, através de uma ação micro.

De que maneira o poder público recebeu a proposta do EME, e que tipo de resultado eles esperam obter de vocês?

Ivan Henriques: Estamos apresentando arte contemporânea em espaços onde isto não é contemplado. Existe também, no local, um trabalho de conscientização artística, histórico e ambiental, realizado por nós mesmos, a medida de nossa interação direta com o público.

E os moradores? Sentem-se surpresos pelo fato de um trabalho ambiental, e político, esteja sendo realizado por artistas?

Ivan Henriques: Estamos somando parcerias com instituições locais e estaduais para dar continuidade deste trabalho dentro de um contexto artístico e educacional.

Silvia Leal: Um de nossos entrevistados, um homem público, levantou interesse quando soube que este trabalho estava sendo dirigido por artistas, e patrocinado pela Secretaria de Cultura. A recepção tem sido muito positiva. Tanto das intervenções quanto dos workshops.

O que difere as intervenções dos workshops? Explique em linhas gerais a dinâmica de cada uma delas, e seus focos específicos?

Ivan Henriques: As intervenções não tem aviso prévio para o público. Simplesmente acontecem com a nossa chegada ao sítio (lugar) escolhido, nossa inserção nesse espaço e o começo de nossa negociação com seus agentes, o indivíduo que ali mora ou trabalha. O workshop é um trabalho para dar continuidade à nossa proposta. O foco dos workshops é a Baia de Guanabara como objeto de arte. O EME, por sua vez, se apresenta como uma plataforma aberta, onde construímos nossas discussões.

Por que a Mata Atlântica?

Ivan Henriques: Porque dela restam apenas nove por cento de seu ecossistema original.

Sendo este um trabalho em processo, como predeterminar as ações? Como incorporar e processar as novas informações?

Ivan Henriques: Existe uma predeterminação de intervenção urbana, em que cada artista participante exercite sua própria linguagem. A idéia inicial do projeto é que ela tenha uma continuidade. Conforme as atividades forem acontecendo, elas serão divulgadas no blog, alcançando também outras plataformas.

Silvia Leal: Na próxima semana, estaremos trabalhando em parceria com o pessoal da Universidade de Nottingham; Mixed Reality Lab e Active Ingredient (Inglaterra). Esta será a minha residência no Brasil. Enquanto isso, o Ivan estará atuando em outro país.

Qual a expectativa de vocês em relação à participação de estrangeiros no processo? Eles vêm com um olhar completamente virgem em relação ao site de trabalho, não?

Silvia Leal: Estamos trabalhando com esse grupo de estrangeiros, que conhecemos num evento chamado PARALELO, realizado em abril desse ano, e para o qual fomos convidados a apresentar o EME. Várias parcerias surgiram a partir deste encontro.

Onde aconteceu?

Ivan Henriques: No Museu da Imagem e do Som de São Paulo, e também no Centro Cultural São Paulo. Foi um evento promovido pelo British Council e pela Mondrian Foundation, dedicado à arte, ciência e meio-ambiente. Por conta dele, criamos o primeiro Light Bridge entre Brasil e Inglaterra.

O Que é um Light Bridge?

Silvia Leal: É um trabalho artístico, que traça uma "ponte" de luz entre Londres e Rio utilizando duas câmeras apontadas uma para a outra, aproveitando a rotação do planeta terra. Esse trabalho foi realizado com um cientista geoespacial Adrian Hughes do escritório Foster&Partners, em Londres.

clip_image010

Lightbridge film still

Em relação ao material audiovisual... É um registro documental ou existe nisso alguma proposta de linguagem?

Ivan Henriques: tanto documental quanto de linguagem. Eu, por exemplo, trabalho com som experimental, tocando junto ao Kuarasy O Berab.

Mas onde as câmeras se encontram? No meio do caminho? O que captam exatamente?

Silvia Leal: Captam a luz do sol nascendo primeiramente na costa da Inglaterra, em Selsey, terminando no Centro do Rio de Janeiro.

Esse é um trabalho paralelo ao EME, ou complementar a ele?

Ivan Henriques: Foi ao mesmo tempo paralelo e complementar. Um tipo de trabalho que ilustra possibilidades de parcerias a longa distância, algo que fazemos desde a fundação do GEMA.

Que outras articulações estão à caminho?

Ivan Henriques: Agora a situação está se invertendo. A Silvia fica no Brasil e eu vou fazer mestrado na Holanda. Desenhamos assim um triângulo Inglaterra, Brasil, Holanda.

Lightbridge

Parallels

A reaction to the concept of parallels between technology and the environment is the artwork Lightbridge. This is a multimedia artwork realized between the UK and Brazil. A macro-astronomic performance using sunlight as a subject to work in between two artists based physically in different sites, based on observation, communication and commitment achieved via long-distance communication tools and time/space synchronization. A macro geographical situation to a micro geographical action.

clip_image006

SMS sent from Silvia to Ivan, 7:33am UK, 4:33am BR.

A line is drawn to connect two geographic points in space over the globe. A distance covering 9289km, most of which is over the Atlantic Ocean. By following the time it takes for the sun to reach Brazil from England, a bridge is created. Two artists commit to reaching their coastal starting points, and they point their cameras at the pre-calculated bearing towards one another. Therein, both become the anchors of each end of the bridge, and their framed landscape is gradually illuminated by the change in light and sound, between twilight and sunrise, that eventually reaches one and then the other. Lightbridge reveals a palette of subtle colours and sounds which break on the west Sussex coast of England on Sunday March 1st 2009 until the earth’s rotation and journey around the sun allows the same light to reach the coast of Rio de Janeiro in Brazil where it is finally caught.

Lightbridge timeline

clip_image008

Two parallel landscapes are connected by the light of one day. On one screen, two countries in two different continents are presented, between them one ocean. These are two landscapes yet are one garden.

clip_image010

Lightbridge film still

Might this suggest we live in the same landscape? Or be part of different landscapes at the same time? If so, what are we doing about it as individuals and collectively?

6 de set de 2009

Guanabara Bay

site specific

  
“What have you done to the garden entrusted to you?” [i]

Our concern in Rio de Janeiro begins around the Guanabara Bay and its surroundings: where there exists a serious environmental decline such as landfills, siltation, destruction of mangroves, industrial pollution, environmental accidents (oil spills that occur with certain frequency by refineries, ports, shipyards and fuel tankers), the building of luxury condominiums and the growth of favelas that have developed since colonization and since after the slavery abolition in the 19th century.

It is estimated that when the Portuguese arrived in Brazil, Mata Atlântica covered 98% of Rio de Janeiro territory and now the forest covers less than 17% of the State.

Now in Rio de Janeiro’s metropolitan area the deforestation has doubled. The native forest total extinction number is 205 hectares in the last three years, against 94 previously informed between the years 2000 to 2005. Itaboraí and Nova Iguaçu municipalities are more critical, with deforestations around the Tinguá’s Biological Reservoir. The annual rate of deforestation from 2005 to 2008 raised 3.6 compared to 2000-2005.

From another point of view, The ‘Programa de Despoluição da Baía de Guanabara’ [ii] is a program installed by the Government in 1995 by Rio de Janeiro State in partnership with international organizations arose as a means to tackle this environment problem in this specific area.

Unfortunately all of the species of fauna and flora are in constant threat of extinction. The challenge of preserving the Mata Atlântica by NGOs and reforestation groups for example is further implicated by the lack of urban planning the development of the suburban cities have historically grown under.

Nowadays there are 19 Federal units, within national parks, biological reserves, environment protection etc. administrated by IBAMA, and 26 units from the State administrated by IEF/RJ, FEEMA and the Secretary of Culture of Rio de Janeiro State.[iii]

Action/Reaction

“ … now that this has actually happened and is not some catastrophe that can still be staved off if we ignore it and it goes away, the question arises, what are we supposed to do now? How are we to face the situation? What are we, as artists, or if we’re not artists, as gardeners, or if we’re not that either, as citizens of the world, meant to do? How should we react?” [iv]

Action

Grupo Experimental Multidisciplinar Autônomo = G.E.M.A. is directed by Ivan Henriques and Silvia Leal. Established in December 2007, GEMA is an artist-led conceptual framework that acts as an open interdisciplinary interface to explore the city of Rio de Janeiro and its environs with the support of international research partners of arts, sciences and technology. GEMA’s aim is to engage the public in the urban and natural environment through site-specific public and live arts interventions and education programs.

Reaction

“The museum is the world; it is the everyday experience.” [v]

Estúdio Móvel Experimental =E.M.E. is an experimental mobile studio where the arts and sciences meet within a mobile multi-media facility. Scheduled to begin its operation of individual artist residencies around the Guanabara Bay in September 2009. EME’s mission is to encourage the public’s engagement with the environment through contemporary arts: observation, negotiation, participation and play. EME is a customized campervan equipped with audio/video production equipment and mobile/remote technologies. It is also a space where artist-led workshops take place aimed at young people from the local communities it reaches. It begins its operation around the Guanabara Bay in Rio de Janeiro, in 6 municipalities of the state; Rio de Janeiro (6.161.047 habitants), Duque de Caxias (864,392 habitants), Magé (240.940 habitants), Itaboraí (255.309 habitants), São Gonçalo (982.832 habitants) and Niterói (477.912 habitants), creating a circle over the map of the state where the Guanabara Bay’s landscape is the central axle and artists using imagination and memory to re-interpret the landscape, looking at climate change from a personal level and experience to amplify for the audience. Partnerships with local schools, NGO's, universities and institutions are an important part of the assembly. These partners are key contributors who can sustain continuity of the projects realized and further research and activity both locally and globally.

Our proposal with the Experimental Mobile Studio is to highlight this substance data with technological artistic practice in the 6 most populated cities around Guanabara Bay.

clip_image004

Bibliography

Folha de São Paulo, Caderno Ciência, Domingo, 12 de Julho, 2009

Sergio Buarque de Hollanda, Visao do Paraíso, 1959.

[i]Antonio Machado quote at Art & Ecology lecture, Iniva, London July 2009

[ii] http://www.cibg.rj.gov.br/paginas.asp?pag=4

[iii] http://www.ief.rj.gov.br/mata/conteudo.htm

http://www.inpe.br/ingles/news/news_not49.php

http://www.sosma.org.br/

[iv] Art in the Landscape, The Chinati Foundation 2000/ Nature, landscape and Land Art by Michael Charlesworth

[v] Hélio Oiticica, Parangolés 1964

Fabric of Species

Ivan Henriques & Silvia Leal

A research group led by an ecologist called Cinthia Brasileiro, from UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) has developed a new theory about genetics explaining the origins of Mata Atlântica and its biodiversity. Groups of animals of this ecosystem are diverse because of this “refuge” which is located throughout the southeastern coast of Brazil. It is a unique natural shelter that has developed over the past 12 millions years.

The secret of this refuge, as described in Brasileiro’s thesis, is that this is an ecosystem which has never suffered from drought, cold seasons nor oscillations of sea level. Its diversity of life in such rich circumstances has always tended to increase, and could easily be compared to as an ‘Ever Green Land’ as Sergio Buarque de Hollanda’s writes in his book ‘Vision of Paradise’.

Mata Atlântica protects and regulates water sources which supplies the main metropolis of the country and hundred of cities. It controls the local climate, and guarantees fertile soil and its extraordinary beautiful landscape.

The Mata Atlântica today is under an accelerated process of destruction, which spans over the past 50 years. It is a process that favors the expansion of farming, agriculture, property development and industry. clip_image002

INPE / SOS Mata Atlântica